Orb
  • . clouds

    Arraste para mover

    História

    História de Portugal

    A origem dos vinhos em Portugal parece remontar a cerca de 2000 a.C. altura em que a mítica e hipotética civilização de Tartessos floresceria, utilizando como sua moeda de troca.

  • .

    2000 a.C

    2000 a. C. Reino dos Tartessos aos Celtas Iberos

    O Vinho, produzido a partir de vinhas plantadas nos vales do Tejo e Sado, servia como moeda de troca, fomentando a cultura da vinha e o tornando um bem importante na cultura e na vida dos povos.

    Portugal

    Séc. X a. C.

    Fenícios

    Séc. VII a. C.

    Gregos

    Séc. VI a. C.

    Celtas e Íberos

    Séc. II a. C. - Romanos

    A romanização da Península veio determinar a consolidação da produção do vinho em Portugal já que o desenvolvimento de Roma fazia disparar o consumo exigindo uma produção cada vez maior a que as vinhas locais não davam resposta. Cabia, assim, às colónias satisfazer a procura e garantir que o vinho corria, farto, em todo o Império Romano.

  • .

    Séc. VIII

    Séc. XVIII - árabes até Reconquista cristã no Séc. XII

    Entre os séculos VIII e XII, época marcada pela influência árabe e por uma cultura que proibia terminantemente o consumo de bebidas fermentadas, a cultura da vinha e a produção de vinho mantêm-se, curiosamente, beneficiando do espírito benevolente e protetor com que os árabes encaram os agricultores.

    Portugal

    Séc. VIII

    Árabes

    Séc. XII

    Reconquista Cristã

    1143 - Portugal

    A fundação de Portugal, em 1143, e a conquista da totalidade do território português aos mouros, em 1249, permitem a instalação de ordens religiosas, militares e monásticas, que se tornam ativos centros de colonização agrícola. O importante papel que o vinho assume nas cerimónias religiosas favorece a cultura da vinha e o vinho vai começando a fazer parte natural na dieta do homem medieval.

    Lentamente, os vinhos de Portugal vão ganhando notoriedade, e na segunda metade do século XIV a produção de vinho conhece uma fase de grande desenvolvimento, e exportação.

  • .

    Séc. XV

    Séc. XV- descobrimentos e conquista de ceuta

    Transportado nas caravelas essencialmente como lastro, os vinhos licorosos vão envelhecendo dentro das barricas espalhadas pelos porões das galés, onde o tempo, o calor e o balanço do mar fazem um pequeno milagre, oferecendo no regresso, um vinho de qualidade ímpar, considerado precioso e vendido a peso de ouro. Chamavam-lhe vinho de “Roda” ou “Torna Viagem” e é com ele que os portugueses começam a conhecer e trabalhar o envelhecimento do vinho.

    1415

    Conquista de Ceuta

    1498

    Caminho Marítimo para a Índia

    1500

    Descoberta do Brasil

    Séc. XVII- Caminhos Marítimos

    Em meados do século XVI Lisboa era o maior centro de consumo e distribuição de vinho do império, e o vinho português chegava aos quatro cantos do mundo. No século XVII um conjunto de obras de cariz geográfico e relatos de viagem permite-nos entender o percurso histórico das zonas vitivinícolas portuguesas, o prestígio dos seus vinhos e a importância do consumo e do volume de exportações.

    Portugal
  • .

    Séc. XVIII

    1703 - Tratado Methuen

    Em 1703, com o acordo de regulamentação das trocas comerciais entre Portugal e Inglaterra, estabelecido no Tratado de Methuen, a exportação do vinho português conhece uma nova fase de expansão.

    Portugal

    1756 - Região demarcada do douro

    Em 10 de Setembro de 1756, e por alvará régio, é criada a Companhia Geral da Agricultura das Vinhas do Alto Douro, que tem como objetivo disciplinar a produção e o comércio dos vinhos da região e estabelecer a demarcação da região, o que vem de facto a acontecer.

    Como em tantos outros aspetos da vida nacional, o Marquês de Pombal exerce uma forte influência no sector da vitivinicultura, tendo estabelecido uma série de medidas protecionistas visando em particular a região do Alto Douro e o afamado Vinho do Porto.

  • .

    Séc. XIX

    1807-10 - Invasões francesas

    O século XIX marca um período negro para a vitivinicultura em Portugal. Inicialmente pela devastação provocada pela doença do oídio, a que se lhe seguiu a praga de filoxera, inicialmente surgida na região do Douro em 1856, rapidamente se espalha a todo o país, devastando a maior parte das regiões vinícolas.

    Portugal

    1850

    Doenças nas vinhas

    1867

    Filoxera

    1874 - Grande Exposição de Londres

    Vencida esta ameaça, a produção de vinhos portugueses inicia a sua recuperação, e os vinhos portugueses regressam à ribalta na grande Exposição de Londres de 1874.

    Colares foi a única exceção, já que a filoxera não se desenvolve nos terrenos de areia onde as suas vinhas são ainda hoje, cultivadas.

  • .

    1900

    1907 - Regulação do sector vitivinícola

    No início do século XX inicia-se o processo de regulamentação oficial de várias outras denominações de origem portuguesa. Madeira, Moscatel de Setúbal, Carcavelos, Dão, Colares e Vinho Verde vão assim juntar-se ao Vinho do Porto e aos vinhos de mesa do Douro.

    1910

    Implantação da República

    Portugal

    1926 - Estado Novo

    Com o Estado Novo (1926-1974), é criada a Federação dos Vinicultores do Centro e Sul de Portugal (1933) que tem como principal papel contribuir para a regularização do mercado.

    1937 - Junta nacional do Vinho

    Sucedeu-lhe em 1937 a Junta Nacional do Vinho, organismo de âmbito mais alargado e com uma forte componente cooperativista, cuja intervenção considerava o equilíbrio entre a oferta e o escoamento, a evolução das produções e o armazenamento de excedentes em anos de grande produção, de forma a garantir a compensação dos anos de escassez.

    Portugal

    1942

    Lançamento Matheus Rosé

    Anos 50-60

    Adegas Cooperativas

    1974

    25 de Abril

  • .

    1986

    1986 - Adesão de Portugal à CEE e Instituto da Vinha e do Vinho

    Em 1986 a Junta Nacional dos Vinhos é substituída pelo Instituto da Vinha e do Vinho, organismo adaptado às estruturas impostas pela nova política de mercado decorrente da adesão de Portugal à Comunidade Económica Europeia.

    Portugal

    Fundação da ViniPortugal em 1997

    Em 1997 é fundada a ViniPortugal, a Organização Interprofissional do Vinho de Portugal, reconhecida por Despacho do Ministério da Agricultura.

    1986 a 2000 - Denominação de origem

    O conceito de “Denominação de Origem” é então harmonizado com a legislação comunitária, e é regulamentado o “Vinho Regional”, isto é, os vinhos de mesa com indicação geográfica, reforçando-se a política de qualidade dos vinhos portugueses.

  • .

    Recente

    2000 a 2010

    São então constituídas as Comissões Vitivinícolas Regionais (associações de direito privado e carácter interprofissional, regidas por estatutos) que, ao assumirem a responsabilidade pela defesa das Denominações de Origem e das Indicações Geográficas, e ao aplicarem e vigiarem o cumprimento da regulamentação existente, desempenham um papel fundamental no incremento e desenvolvimento da qualidade e prestígio dos vinhos portugueses, estando atualmente reconhecidas e protegidas 31 Denominações de Origem e 12 Indicações Geográficas em Portugal.

    Os apoios da Europa foram essenciais para a viabilização de inúmeras vinhas e adegas modernas que impulsionaram a actividade vitivinícola; paralelamente, uma nova geração de produtores e enólogos foi sendo preparada nas universidades portuguesas nas áreas da viticultura e enologia, permitindo-lhes a aquisição de outras experiências no mundo vitivinícola.

    Portugal possui ainda diversas cooperativas, algumas das quais excelentes, existem também grandes empresas de sucesso, mas nas últimas décadas assistiu-se ao crescimento de um grande número de pequenos produtores e produtores independentes, alguns dos quais anteriormente entregavam as suas uvas nas cooperativas e que entretanto se equiparam para produzir seus próprios vinhos.
    Algumas vinhas são novas e modernas, com castas selecionadas em função dos atuais mercados; outras são vinhas com décadas ou centenárias, com diversas castas antigas, de baixa produtividade mas de alta concentração aromática.
Pressione ENTER para pesquisar ou ESC para fechar
Cookies

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência de navegação. Ao utilizar o Webiste Wines of Portugal, concorda com a utilização de cookies.

ver mais