Quinta dos Roques

Por Rui Falcão*

Quinta_dos_Roques.jpeg

A Quinta dos Roques tem um percurso de mais de duas décadas em crescendo, com os pés no chão, sem mudanças de perfil imponderadas ou aventuras inconsequentes. Aqui respira-se seriedade, humildade e uma vontade obstinada em fazer bem e em consonância com o que a terra dá, sem acrescentar uma vírgula ao que a natureza ofereceu em cada colheita. Quando se podem fazer os melhores, sejam eles vinhos varietais ou vinhos de lote, fazem-se. Com a mesma naturalidade, nos anos menores preferem não engarrafar os vinhos grandes dos Roques, despromovendo as melhores vinhas para as gamas inferiores. Uma combinação pouco comum, que revela seriedade e mestria. A aliança subtil entre classicismo e modernidade patente nos topos de gama seduz, tal como o binómio potência/elegância que representa o paradigma da elegância do Dão: o justo equilíbrio entre fruta e acidez. 

Mas a verdade é que os vinhos da Quinta dos Roques nunca são fáceis ou imediatos. São antes vinhos sérios e, por vezes, sisudos que representam o carácter beirão de vinhos sóbrios, sólidos e bem-educados, prontos para uma vida longa em garrafa. A aposta nos vinhos varietais sempre foi uma das imagens de marca da casa, com um destaque muito particular para a Touriga Nacional que nos Roques já se tornou lendária. 

 

  

 

 


* Rui Falcão é um renomeado vinho Português jornalista, escritor e educador vinho. Ele também é um juiz em vários concursos internacionais de vinhos.