Quinta do Vale Meão

Por Rui Falcão*


Quinta_do_Vale_Meo.jpegA Quinta do Vale Meão anuncia-se hoje como um dos nomes míticos do Douro, uma quinta de passado rico e épico, símbolo do espírito empreendedor e indomável de D. Antónia Adelaide Ferreira, a célebre Ferreirinha. A Quinta do Vale Meão continua na posse da família e ainda hoje são os descendentes de D. Antónia Adelaide Ferreira que gerem de forma notável os destinos da Quinta do Vale Meão. 

Constituem ainda uma das duplas mais famosas e carismáticas do Douro, popularmente identificados como Vito e Xito Olazábal. Foi nesta quinta que nasceu o lendário Barca Velha e foi por aqui que a sua produção se manteve até à separação final de águas, quando Vito Olazábal propôs comprar, em 1998, a Quinta do Vale Meão às dezenas de herdeiros que mantinham a quinta decomposta por dezenas de pequenas parcelas. O mar de ligações familiares maternas e paternas que entrelaçam a história do Douro estão bem patentes em Xito Olazábal, enólogo dos vinhos de Vale Meão, neto de Fernando Nicolau de Almeida e sobrinho de João Nicolau de Almeida.

Raramente uma quinta e um vinho foram tão falados quanto o Quinta do Vale Meão 1999, o primeiro da linhagem, transformado em mito no imaginário nacional desde a primeira colheita. Ao longo de um pouco mais de uma década de vida, as colheitas do Quinta do Vale Meão têm sido aclamadas de forma entusiástica pela imprensa portuguesa e internacional que lhe tem concedido honras de vinho excepcional.

 

 

 

 


* Rui Falcão é um renomeado vinho Português jornalista, escritor e educador vinho. Ele também é um juiz em vários concursos internacionais de vinhos.