Quinta do Ameal

Por Rui Falcão*

Quinta_do_Ameal.jpeg Pedro Araújo, alma e mentor da Quinta do Ameal, tem uma ideia muito pessoal sobre a região, uma concepção diferente e muito própria sobre o perfil dos Vinhos Verdes, uma visão muito particular sobre o potencial da casta Loureiro - a que elegeu para trabalhar. Uma realidade do Vinho Verde em tudo divergente da visão comum, que pretende colar uma imagem de vinho fácil e de consumo rápido. Pedro Araújo sabe que a casta Loureiro tem muito mais para oferecer do que a verbosidade inicial que sempre foi característica da casta, muito mais para dizer do que a alegria dos primeiros meses. Sabe que é uma casta séria e superior, uma das estrelas de Portugal, uma das vantagens portuguesas na afirmação de um estilo próprio. 

Mas para isso há que saber trabalhá-la, há que ter empenho e rigor. A verdade é que os vinhos da Quinta do Ameal são vinhos frescos e jovens, alegres e prazerosos, exuberantes e entusiásticos, quase inebriantes na juventude floral da casta, na expressão feliz de uma parcela muito especial do território nacional. São vinhos elegantes e refrescantes que retratam de forma delicada o Vinho Verde, com um perfil acentuadamente mineral. E curiosamente são vinhos que envelhecem com cavalheirismo e dignidade, melhores com pelo menos um ano de garrafa.

 

 

 

 


* Rui Falcão é um renomeado vinho Português jornalista, escritor e educador vinho. Ele também é um juiz em vários concursos internacionais de vinhos.