Tejo

Tejo

Tejo.jpg

A região do Tejo divide seu espaço igualmente entre áreas já DOCs (Denominações de Origens oficiais),  e aquelas denominadas de Vinhos Regionais, em ambos os lados do rio de mesmo nome, que flui suavemente na direção sudoeste, até Lisboa.

Com prados incríveis e planos, divididos por um rio imponente: estas são as imagens clássicas da região do Tejo. E de fato a região abrange a maior parte do curso do mais famoso rio de Portugal, que flui para baixo do centro de Portugal até chegar a Lisboa. Mas, longe do rio, a região do Tejo fica mais alta, montanhosa e seca, repleta de olivais e pomares, assim como de vinhedos.


Região

Nos últimos anos, novas plantações foram concentradas em áreas mais altas, enfatizando qualidade em detrimento da quantidade. As duas zonas de montanha são a Charneca e o Bairro. A Charneca fica ao sul - leste do rio, e faz fronteira com a região do Alentejo. É mais quente e seca do que o resto da região. Os solos são arenosos, a produção por videira é baixa (mais qualidade), e as uvas amadurecem facilmente e mais cedo. Para o norte e oeste do rio, as terras altas são conhecidas como Bairro. Os solos no Bairro são principalmente de argila e calcário, com uma extensão em xisto perto da pequena cidade medieval de Tomar.

 

Algumas das vinhas da região do Tejo ainda crescem na Lezíria, em férteis planícies aluviais onde a água nunca está muito abaixo da superfície e o clima é moderado pelo rio. É preciso grande empenho para a produção de vinhos finos nestas condições, em especial utilizando-se da poda consciente, evitando o excesso de cachos. A maioria dos viticultores entregam suas colheitas para cooperativas produtoras e o vinho produzido, em geral,  é suave e fácil de beber, com predominância tintos e rosés frutados, e os brancos por sua vez são aromáticos e para consumo diário. Por ser uma região fértil, considerada não propícia para a viticultura, alguns desses antigos vinhedos estão sendo dirigidos para outras culturas - há um mercado ávido por melões, morangos, tomates, cereais, legumes e frutas, que se adaptam muito melhor nessas terras fluviais.